Um país com uma independência forte

A República Democrática Popular da Coreia é globalmente conhecida como sendo um país extremamente independente dada a perseverança dos princípios da independência política, da auto-suficiência económica e da auto-suficiência da sua defesa nacional.

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

IAEGCA prepara primeiro volume da colecção KFA Portugal


O Instituto de Altos Estudos em Geopolítica e Ciências Auxiliares (IAEGCA) tem já em finalização o primeiro volume da colecção KFA Portugal, fruto de uma parceria entre este Instituto e a Associação de Amizade Luso-Coreana.

A primeira obra fruto desta colaboração é da autoria de Kim Il Sung e intitula-se "Teses Sobre a Educação Socialista", obra apresentada pela primeira vez no 14º Plenário do Quinto Comité Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia, a cinco de Setembro de 1977, e até agora inédita em Portugal.

O livro estará disponível em Dezembro (na altura iremos divulgar em que livrarias) mas caso queira pode já reservar o seu exemplar, em pré-venda pela módica quantia de 10€, pelo nosso correio electrónico: portugal@korea-dpr.info

Trata-se de uma edição oficial devidamente autorizada pelo governo da República Democrática Popular da Coreia, espera-se que a primeira de muitos neste nosso esforço para dar a conhecer ao público português as realidades, a História e o pensamento da Coreia Popular.

Pentágono usou missionários para espiar a Coreia do Norte


Sputnik - Uma operação altamente confidencial do Pentágono incluía uma rede de espionagem na Coreia do Norte de 2004 a 2012 baseada num grupo americano de missionários cristãos coreanos.

O líder evangélico cristão Kay Hiramine fundou um movimento humanitário multimilionário e não-governamental chamado Grupo de Serviços Internacionais Humanitário (HISG, na sigla em inglês).

No entanto, segundo uma reportagem publicada no Intercept nesta segunda-feira, "Hiramine era um espião do Pentágono e a sua ONG foi fundada por meio de um programa altamente confidencial do Departamento de Defesa."

O grupo operava como parte de um programa do Departamento de Defesa que começou em Dezembro de 2004 e seguiu operando durante a maior parte do primeiro mandato de Barack Obama, diz a reportagem.

"O programa era ideia do oficial sénior de inteligência do Departamento de Defesa general William Jerry Boykin… um cristão evangélico (que)… estabeleceu a ONG porque estava procurando novas… maneiras de infiltrar na Coreia do Norte", diz o texto.

Em 2003, Boykin recebeu muitas críticas por fazer declarações públicas hostis contra o Islão.

"A Coreia do Norte era o alvo de inteligência mais difícil para os Estados Unidos. Mas a ONG de Hiramine, oferecendo ajuda humanitária à população desesperada do país, conseguiu ir aonde outros não conseguiram", escreve o Intercept.

O Intercept afirma que a reportagem foi resultado de uma investigação de um mês, na qual foram entrevistados mais de uma dúzia de actuais e ex-oficiais militares e de inteligência, trabalhadores humanitários, oficiais dos EUA e ex-integrantes do HISG.

Segundo Sam Worthington, presidente da Inter Action, associação de cerca de 200 ONGs, usar o HISG para espionagem foi além do que o governo americano deveria poder fazer.

"É inaceitável que o Pentágono ou qualquer outra agência americana use organizações não lucrativas para obter inteligência. É uma violação da confiança básica entre o governo americano e seu setor civil", afirmou.

Um ex-oficial militar americano, falando em condição de anonimato, disse ao Intercept que o Departamento de Defesa forneceu pelo menos US$ 15 milhões ao HISG durante o período em que o programa esteve ativo. 

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Rússia e Coreia do Norte criam Casa Comercial Asiática


Sputnik - A Rússia e a Coreia do Norte pretendem criar uma nova estrutura económica – a Casa Comercial Asiática, que permitiria aos países facilitar e aumentar as trocas comerciais, segundo divulgou o lado russo nesta quarta-feira (14).

A proposta sobre a criação da nova estrutura foi publicada no site oficial do Ministério russo de Desenvolvimento do Extremo Oriente. As questões de cooperação económica foram discutidas em Pyongyang pelo ministro russo Aleksandr Galushka e pelo ministro norte-coreano do Comércio Exterior Ri Ryong Nam.

As partes realçaram o progresso obtido em um vasto leque das questões de cooperação económica bilateral, que já haviam sido discutidas no âmbito do Fórum Económico do Oriente, realizado em Setembro na cidade russa de Vladivostok.

Segundo o lado russo, a criação da Casa Comercial Asiática pode ser uma das vias para aperfeiçoar as relações comerciais bilaterais. A nova entidade prevê a harmonização dos mercados comerciais da Rússia e da Coreia do Norte, bem como o apoio aos negócios através de bancos parceiros, acreditados para assistir e garantir a circulação de mercadorias nas moedas nacionais dos dois países.

Como resultado das negociações, as partes concordaram em organizar a criação da Casa Comercial Asiática e realizar os primeiros negócios de teste até o final do ano corrente.

Na publicação oficial, o ministério russo divulgou que a criação da nova entidade permitirá excluir terceiras partes nas operações comerciais:

“A abertura de contas por empresas norte-coreanas em bancos da Federação da Rússia permitirá que os pagamentos se tornem mais eficazes e seguros, sem a participação de terceiros países nestas operações.”

Segundo Galushka, a redução da mediação de outros países permitirá não só baixar os preços das mercadorias, mas também aumentar o controle da qualidade dos fornecimentos.

Cabe lembrar que, em 4 de Fevereiro, foi criado o Conselho de Negócios e Cooperação Económico-Comercial com a Coreia do Norte. O alvo mais importante da organização é ajudar as empresas russas na procura de parceiros norte-coreanos.

O intercâmbio comercial entre as partes em 2014 foi de 92.3 milhões de dólares e, até 2020, a Rússia e a Coreia do Norte planeiam aumentá-lo até mil milhões de dólares.

sábado, 10 de outubro de 2015

A política Songun


A política Songun encontra-se enraizada na ideologia da primazia militar na qual se encarna a ideia Juche. O presidente Kim Il Sung foi o fundador da ideologia Songun e o líder inigualável da revolução Songun. Herdou o seu legado revolucionário juntamente com as duas pistolas do seu pai e fez sua a determinação de restaurar um país perdido pela via da luta armada. 

A constituição da “União Contra o Imperialismo” pelo presidente em Outubro do 15º ano Juche (1926) foi uma proclamação de vitória ou morte para esmagar os imperialistas japoneses. As duas pistolas legadas pelo seu pai, Kim Hyong Jik, e o programa da “União Contra o Imperialismo” que realçava um posicionamento independente e anti-imperialista foram o ponto de partida da ideologia Songun, a ideologia que dá prioridade às armas e aos militares.

O presidente Kim Il Sung delineou as linhas do combate armado como principal linha da luta anti-japonesa pela libertação nacional num encontro histórico em Kalun, em Junho do 19º ano Juche (1930), proclamando o nascimento da ideologia Songun por todo o mundo. Fundou o Exército de Guerrilha Popular Anti-Japonesa, a primeira força armada revolucionária, a 25 de Abril do 21º ano Juche (1923) dando início à luta armada anti-japonesa, um evento histórico que anunciou o início da liderança revolucionária Songun.

Durante quase 70 anos, desde meados dos anos 20 quando embarcou na via da revolução com a grande ambição da libertação nacional, ateve-se à linha da primazia das armas e dos militares e aplicando o princípio da prioridade militar. O presidente Kim Il Sung, no início dos anos 60, considerou que o legado da liderança revolucionária Songun era fundamental à causa revolucionária que deixava e destacou o general Kim Jong Il com a tarefa de fazer com que o labor do Exército se equiparasse ao labor do Partido.

Assim se iniciou a liderança Songun do general Kim Jong Il, com a sua liderança in sito da Guarda Seoul Ryu Gyong Su 105, divisão de tanques do Exército Popular da Coreia em Agosto do 49º ano Juche (1960). Até final da década de 60 liderou in sito centenas de unidades do Exército durante quase dez anos.

Nos anos 70 e 80, determinou como principal tarefa da construção do Exército transformar o Exército Popular da Coreia no Exército do Líder e no Exército do Partido, tendo enveredado por grandes esforços para liderar o fortalecimento do Exército, tanto política como ideologicamente, tanto militarmente como tecnicamente. Nos anos 90, houve uma grande alteração na composição política do mundo bem como no balanço de forças. Os EUA e as forças reaccionárias imperialistas intensificaram de modo sem precedente as suas manobras militares agressivas para sufocar o país, erguendo obstáculos na via para a revolução coreana. 

O general Kim Jong Il, com base na análise científica da nova situação, declarou tanto internamente como internacionalmente, que a política da RDP da Coreia era a política Songun e estabeleceu plenamente a forma da política Songun. Na primeira sessão da 10ª Suprema Assembleia Popular da RDPC em Setembro do 87º ano Juche (1998), foi criado um novo mecanismo estatal que teve por base o Comité para a Defesa Nacional. Foi assim que a política Songun do Partido se transformou no principal modelo político do socialismo iniciado na era do presidente Kim Il Sung e sistematizado nos tempos mais árduos da História.

O general Kim Jong Il deliberou que a linha da revolução Songun perduraria enquanto sobrevivessem os inimigos e enquanto perdurassem as suas tentativas de agressão. O mesmo desenvolveu a política Songun e defendeu o socialismo graças ao poderio da política Songun, fazendo avançar a causa da independência da humanidade.

A ideologia Juche


A República Democrática Popular da Coreia guia-se nas suas actividades pela ideia Juche, da autoria do presidente Kim Il Sung. A ideia Juche representa, muito resumidamente, que os mestres da revolução e da construção são as massas populares e que estas são também a força motriz da revolução e da construção.

A ideia Juche baseia-me no princípio filosófico de que o Homem é o mestre de todas as coisas e tudo decide. É uma visão do mundo centrada no Homem e uma filosofia política para a materialização da independência das massas populares, nomeadamente, a filosofia que elucida quais são as bases teóricas das políticas que dão origem ao desenvolvimento da sociedade pela via mais correcta. O governo da RDPC mantém o Juche como objectivo firme em todos os campos da revolução e da construção.

Estabelecer o Juche significa a adopção da atitude de mestre perante a revolução e a construção do seu país. Significa a manutenção de um posicionamento independente e criativo na resolução dos problemas que possam surgir na revolução e na construção. Significa que esses problemas devem ser resolvidos com base nos nossos próprios esforços e em conformidade com as actuais condições POLÍTICAS do nosso país. A concretização da independência política, da autossuficiência económica e da autonomia da defesa nacional são os princípios que o governo mantém de forma consistente.  

O povo coreano valoriza a independência do seu país e da sua nação e, pressionado pelos imperialistas e pelos dominadores, tem implementado minuciosamente os princípios da independência, da autarcia e da autodefesa, defendendo de modo firme a soberania e a dignidade do país.

É política consistente por parte do governo da República guiar-se pela ideia Juche, acarinhar o carácter nacional e o carácter do Juche, mantendo-os e concretizando-os. O governo da República adere sempre ao princípio Juche, o princípio da independência nacional, concretizando a causa socialista do Juche.

Com tecnologia do Blogger.